Feira de Nova Serrana gerou mais de R$ 14,3 milhões em negócios

0 Flares Filament.io -- 0 Flares ×

NOVA SERRANA FEIRA E MODA -.jpg

toninho e lojista.jpg
Antônio Simões (Massey), Mauro Silva (representante), Cláudio Beltrão (Beltrão Calçados) e Diego Barão (representante)

A 1ª edição da Nova Serrana Feira e Moda, maior feira de calçados do Estado de Minas Gerais surpreendeu expositores e lojistas e gerou mais de R$ 14,3 milhões em negócios. Estandes cheios, pedidos fechados e muita negociação marcaram os três dias da feira, que aconteceu no pólo mineiro de Nova Serrana entre os dias 10 e 12 de abril.
Para o empresário Rinaldo Brandão (Organizações Amaral), a visita de novos clientes, sobretudo importadores e compradores do Nordeste e do interior de São Paulo, garantiu a venda de aproximadamente 55 mil pares durante o evento. “Nossa participação na Nova Serrana Feira e Moda foi tão boa quanto a participação nas grandes feiras do setor. Tivemos resultados de vendas excelentes e acreditamos que a feira já é um sucesso, podendo ser realizada duas vezes ao ano”, afirmou o empresário.
A opinião de duplicar a edição da feira também é compartilhada pelo empresário Antônio Simões Pessoa, fabricante da marca Massey. “As feiras regionais possibilitam atendimento mais direcionado ao cliente e geram mais visitação, já que os lojistas conseguem conhecer toda a oferta de produtos do evento”, disse o empresário. Entre feira e pós-feira, Antônio Simões calcula ter vendido mais de 16 mil pares, o que o incentivou a abandonar a participação em grandes eventos. “Minha intenção, a partir de agora, é expor apenas na feira de Nova Serrana, diminuindo custos e garantindo bom volume de vendas”, definiu.
Sem revelar a quantidade de pares negociados, mas garantindo que as expectativas para a 1ª edição da feira foram superadas, o empresário Heleno Batista (Lev Flex), fabricante de calçados ortopédicos em couro, afirmou que 50% dos visitantes de seu estande foram novos compradores, possibilitando a ampliação da cartela de clientes da empresa. “A divulgação da feira foi bastante ampla e trouxe lojistas que até então não compravam nossos produtos. Fechamos negócios com compradores de São Paulo e de outros estados e reforçamos a marca através de contato mais personalizado com os clientes”, revelou Batista.

Se a feira foi sucesso de vendas para expositores, o mesmo foi comprovado pelos visitantes. Mais de 8,2 mil compradores percorreram os pavilhões do Centro de Eventos de Nova Serrana. Oriundos de vários estados brasileiros, além de países como Argentina, Peru e Uruguai (através do Projeto Comprador desenvolvido pela Abicalçados em parceria com a Apex), os compradores estimam que o pós-feira vai garantir as vendas dos próximos meses.
O grupo Alô10 – Associação de Lojistas do Interior do Estado de São Paulo -, que juntos possuem 32 pontos de venda, elogiaram a diversidade de produtos oferecidos no evento e realizaram negócios com novos fornecedores. “Cerca de 70% de nossas compras estiveram concentradas em produtos femininos e a possibilidade de ampliarmos as negociações nos próximos meses é enorme”, definiu o presidente da Associação, Antônio Marrachine Lordelo. Para o comerciante, a Nova Serrana Feira e Moda é a melhor vitrine de calçados depois das grandes feiras do setor. “O número de expositores e a diversidade de produtos apresentados projetam facilmente o evento para duas realizações anuais”, acredita Lordelo.
A realização do evento também foi aprovada por Cláudio Beltrão (Beltrão Calçados – RS). “Compro em Nova Serrana há cinco anos e estou certo de que as compras dentro da feira são melhores. A negociação com os fabricantes é diferente em razão da grande oferta de produtos, o que gera maior pesquisa de preços”, afirmou Beltrão. O lojista fechou negócios com novas marcas e garantiu as vendas da próxima estação com produtos infantis, esportivos e femininos.
Para o importador argentino Osvaldo Berardinelli (Deaser S.A), que compra anualmente cerca de US$ 1,5 milhão por ano no pólo mineiro, a feira apresentou qualidade de produtos que ainda não conhecia. Apesar do câmbio desfavorável para importação, o argentino garantiu que o volume de compras será mantido para os próximos meses. “Mesmo com o câmbio desfavorável mantenho as negociações com o pólo de Nova Serrana. Os produtos têm aumentado a qualidade e o design”, revelou o importador.

Assessoria de Comunicação Institucional
Jornalista responsável: Juliana Lorenzato
juliana@sindinova.com.br
(31) 8471-7742

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io -- 0 Flares ×